Aeroportos regionais registram aumento na movimentação de passageiros

12
Aeroportos regionais
Foto: Departamento Aeroportuário /Divulgação
Publicidade

Os aeroportos do interior do Rio Grande do Sul administrados pelo Departamento Aeroportuário, vinculado à Secretaria de Logística e Transportes, apresentaram acréscimo no número de passageiros em 2019.

Nos aeroportos de Caxias do Sul, Passo Fundo e Santo Ângelo os voos no primeiro semestre deste ano atenderam um total de 197 mil passageiros. O volume é 20% maior em comparação ao mesmo período de 2018, quando foram registrados 163 mil embarques e desembarques.

Apenas no Aeroporto Hugo Cantergiani, em Caxias do Sul, foram 117 mil passageiros em voos realizados entre janeiro e junho deste ano – número 32% maior do que nos primeiros seis meses de 2018. O início das operações da linha Caxias do Sul – Guarulhos foi o principal fator que impulsionou a movimentação local.

Publicidade

De acordo com o secretário Juvir Costella, os dados são reflexo da oferta maior de voos nos aeroportos no interior. “Esses números atestam o acerto das políticas do governo do Estado de estímulo à implantação de novas rotas comerciais”, afirma.

“Ao incentivarmos a adesão das companhias aéreas ao Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional, aproximamos regiões estratégicas dos grandes centros e oportunizamos novos investimentos para o setor.”

Atualmente, são seis rotas de voos comerciais oferecidas pela Azul dentro do Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional. A partir de setembro, o número deve dobrar com a adesão da Gol ao programa. Serão seis novas rotas que interligarão os municípios de Bagé, Rio Grande, Santana do Livramento, São Borja, Santa Rosa e Passo Fundo a Porto Alegre.

Fizemos duas alterações nos decretos que regem o funcionamento das rotas de voos comerciais”, destaca Juvir Costella. “Uma das medidas permite que as empresas terceirizem a operação dos voos. A outra reduz a alíquota de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis das aeronaves. Para 2020, esperamos que mais viagens sejam disponibilizadas à população.”

Conforme o secretário, o incentivo à aviação é determinante para potencializar a infraestrutura logística estadual. “Precisamos mudar o fato de o Rio Grande do Sul ser, hoje, o Estado mais dependente do modal rodoviário”, acrescenta.

“Ao investirmos em transporte aéreo, daremos mais opções para aproximar pessoas e facilitar negócios. Viagens que pelas estradas demoram sete ou oito horas, por exemplo, levam apenas duas horas de avião.”

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui