Plano Cicloviário completa 10 anos e cidade conta com apenas 48 quilômetros de ciclovias

43
Ciclovia Ipanema
Foto: Ricardo Stricher/Prefeitura de Porto Alegre
Publicidade

Nesta segunda-feira, dia 15 de julho, o Plano Diretor Cicloviário Integrado de Porto Alegre completa 10 anos. A lei foi sancionada em 15 de julho de 2009 pelo ex-prefeito José Fogaça, os estudos serviram de base para apontar 495 quilômetros de vias para receber ciclovias e ciclofaixas.

Atualmente há apenas 48 quilômetros reservados às bicicletas em Porto Alegre, a justificativa é a falta de recursos.

Os primeiros estudos para a elaboração do Plano Diretor Cicloviário Integrado ocorreram entre os anos de 2005 e 2008. Alessandra Both, coordenadora de Projetos de Mobilidade Sustentável da Empresa Pública de Transporte e Circulação de Porto Alegre, relata que foram levados em consideração fatores como acidentes envolvendo bicicletas e projeção de demanda futura.

Publicidade

Entretanto não foi dado prazo para a realização do plano, porque parte do traçado previsto contava com a realização de obras como alargamentos ou desapropriações, que não foram realizadas até hoje.

Foram entregues 3,1 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas nos primeiros anos da gestão do atual prefeito Nelson Marchezan, contra 19,4 quilômetros de ciclovias dos dois anos anteriores.

As contrapartidas, uma das principais ferramentas para implantar rede cicloviária sem dinheiro em caixa (representam um terço do total), não têm dado o resultado esperado – houve menos empreendimentos executados. O restante foi feito com recursos da Prefeitura de Porto Alegre ou financiamento, como da Corporação Andina de Fomento.

“A implantação não tem acontecido conforme o esperado, mas os projetos continuam. Estamos buscando recursos”, disse Alessandra Both, para o site Gaúcha ZH.

Além da finalização das ciclovias nas avenidas Nilópolis e Nilo Peçanha, também estão previstos neste ano trecho na Rua Voluntários da Pátria (próximo ao DC Shopping) e 1,7 quilômetros na Avenida Ipiranga, ambos por contrapartida.

Alessandra Both disse em entrevista à rádio Gaúcha que as ciclovias existentes estão sendo repintadas e nelas trabalhos de manutenção estão sendo realizados.

A coordenadora disse que têm projetos previstos para ligar as regiões Norte e Leste por ciclovias, estender a ciclovia da Avenida Ipiranga e estão previstas também a implantação de ciclorrotas, criando acessibilidade para a malha cicloviária.

Rotas e ciclovias mais seguras

– Avenida Ipiranga tem 9,4 quilômetros de ciclovia e a Prefeitura de Porto Alegre busca verba por meio de contrapartidas para implantar o trecho de 1,7 quilômetros entre a Avenida Lucas de Oliveira e a Rua Salvador França, completando assim toda a extensão da via. Os projetos já foram finalizados.

– Orla do Guaíba, entre o Gasômetro e a região do antigo Estaleiro Só, junto à Fundação Iberê Camargo.

– Ciclovia Ipanema (Ciclovia Ayrton Senna da Silva), com 1,2 quilômetros de extensão.

– Ciclovia da Diário de Notícias, com dois quilômetros de extensão, na Avenida Diário de Notícias.

– Ciclovia da Restinga, com 4,6 quilômetros de extensão.

Publicidade

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui